Em estudo recente, cientistas britânicos revelaram que o azeite de oliva, ao lado de vegetais de folhas verdes, é um tipo de ácido graxo que ajuda a reduzir a pressão arterial. O estudo, realizado com camundongos, ajuda a entender pesquisas anteriores que indicavam que a dieta mediterrânea ajuda a combater a hipertensão (pressão alta, doença cardiovascular crônica).

 

Na dieta mediterrânea, há pouco sal, poucos alimentos industrializados, pouca gordura de origem animal e maior ingestão de frutas, legumes, vitaminas e minerais. A dieta incluiu ainda gorduras insaturadas encontradas no azeite de oliva e em alguns frutos secos, além do abacate, aipo, cenoura e espinafre, alimentos ricos em nitratos inorgânicos e nitritos. Esses ácidos graxos encontrados no azeite de oliva parecem inibir uma enzima conhecida como epóxido hidrolase solúvel. Tal inibição induz à vasodilatação, que leva à redução da pressão arterial, de acordo com o novo estudo britânico, financiado pela British Heart Foundation e publicado no periódico americanoProceedings of theNationalAcademy of Sciences (PNAS).

Para Philip Eaton, professor de bioquímica cardiovascular do King'sCollege de Londres e um dos autores do estudo, “os resultados ajudam a explicar as razões que levaram trabalhos anteriores a mostrar que a dieta mediterrânea, combinada com azeite de oliva, pode diminuir a incidência de problemas cardiovasculares nas pessoas que seguem a dieta”.

* A maioria dos cientistas concorda que a dieta mediterrânea traz benefícios à saúde. Porém, em relação à alimentação à base de verduras, peixe, grãos, vinho tinto, nozes e azeite de oliva – alimento presente na cesta básica –, não há um consenso sobre o que origina esses benefícios já comprovados em trabalhos científicos realizados anteriormente.